terça-feira, 27 de julho de 2010

E agora?


E no meio de uma madrugada gélida, Drummond e Matheus bêbados dialogando:

_ E agora, José?
_ Pois é... Eis a pergunta que não quer calar.
_ A festa acabou.
_ Eu sei.
_ A luz apagou.
_ Mas a esperança continua!
_ O povo sumiu.
_ Mas o pai volta no domingo e a mãe fica mais um pouco em Rosário.
_ A noite esfriou.
_ É que estou sem lenha para queimar na lareira, desculpa.
_ E agora, José?
_ Me chame de "você" já que não decorou meu nome.
_ E agora, Você?
_ E agora, o quê?
_ Você, que faz versos, que ama, protesta?
_ Não protestei. Apenas, desabafei contigo, Carlos!
_ E agora, José?
_ Calma. Vou ao banheiro. Carlos, já falei que meu nome é Matheus.
_ Sozinho no escuro, qual bicho do mato...
_ Espera que vou acender a luz da sala.
_ Sem teogonia...
_ Quê?
_ Sem parede nua para se encostar...
_ Carlos, acho melhor parares de beber! Tu não estás bem!
_ Sem cavalo preto que fuja a galope, você marcha, José!
_ Tu fumou maconha ou o vinho te deixa assim?
_ José, para onde?
_ Relaxa! Eu só vou ao banheiro. Aliás, pela última vez: meu nome é Matheus!

(Adaptação de José, de Carlos Drummond de Andrade)

4 comentários:

Ornella disse...

N posso deixar de dizer aqui o quanto eu adorei!!!!!
hahahaha
beijoss

Mitcheia disse...

Hahauaha, bem tri! Parabéns, adorei...

Ana Paula NiKKa disse...

Adorei!! Te falei que consegui visualizar voces ne?? beijos

Vulgo J. Little Gray disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.